Notícias
INCA faz alerta sobre uso de dispositivos eletrônicos para fumar


O INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva) publicou neste mês um alerta sobre o uso de dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs), que são aparelhos que funcionam com bateria e possuem diferentes formas e mecanismos, contêm inúmeras substâncias tóxicas e, em sua maioria, aditivos com sabores e nicotina, droga que causa dependência.

Entre os acidentes relatados pelo uso dos DEFs estão: explosão das baterias que causam queimaduras, perda de partes do corpo e até morte ingestão acidental dos líquidos, especialmente por crianças – esses líquidos contêm nicotina e pode ser inalado ou entrar em contato com pele e olhos princípios de incêndio em residências e em outros locais e doença pulmonar severa.

Uma revisão sistemática de estudos científicos mostrou que a chance de um jovem começar a fumar cigarros convencionais quadruplica com o uso de DEFs.

Segundo o INCA, não há evidência científica suficiente e definitiva que indique o uso de DEF acabar com a dependência de nicotina. Alguns estudos, equivocadamente, consideram como cessação a migração do cigarro tradicional para o eletrônico, ou seja, quando o indivíduo apenas troca de produto (mas permanece dependente de nicotina).

Recentemente, a OMS (Organização Mundial da Saúde) considerou que as informações sobre o uso de DEFs como ferramenta para parar de fumar são inconclusivas e que não há clareza se esses produtos têm algum papel na cessação do tabagismo.

Em 2019, os Estados Unidos começaram a noticiar o surgimento de casos de uma doença pulmonar grave relacionada ao uso de dispositivos eletrônicos para fumar. O crescimento do número de casos foi reconhecido como epidemia e nomeada com a sigla Evali (Electronic or Vaping Acute Lung Injury). O Centro de Controle de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, relatou, até dezembro de 2019, 2.291 casos de pessoas hospitalizadas com Evali, sendo que 48 mortes pela doença foram confirmadas. No Brasil, até o início de dezembro de 2019 foram relatados três casos suspeitos.



Central de atendimento (11) 4185-7600 | Fale conosco - SAU (11) 4185-7693
Hospital Geral de Carapicuíba | Rua da Pedreira, 95
Parque José Alexandre - Carapicuíba/SP